Ao coração do palhaço

entre ingênuo e afoito,
arma, de novo, seu vôo
na garganta do futuro

mas o vento estanca
o sonho é mudo

e o palhaço na pose
de aviador intrépido
(é, assim, de braços abertos)
abre os olhos
aos poucos
enquanto os risos cessam

(e o silêncio pesa como uma lua)

com um risinho frouxo
vai encolhendo os braços
e guardando o vôo
nos bolsos
de trás,
(um pouco triste,
é verdade,
mas sem alarde.)

e é justo quando
o vento vem
e lhe bate
lhe bate
bate

(e os risos recomeçam
e o poema recomeça)

Anúncios

~ por jeffvasques em 11/01/2010.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: