Leonard Cohen I

Conheci o canadense Leonard Cohen pelo meu amigo-poeta Cássio (que aliás me apresentou um monte de coisas legais, dos Beats ao Belchior – o Dylan brasileiro). Conheci primeiro a música. É sempre estranho o primeiro contato com a música do Cohen: sua voz grave (em grande medida por causa do cigarro) numa melancolia sepucral cantando músicas que mais lembram, como já disse Dylan, orações, ou cânticos de pastores-perdidos-na-vida, falando de seus amores como quem se dirige ao sagrado. Ouvindo mais fui percebendo a qualidade das letras (poesia pura) e fui entrando em seu mood (aquela história de Ler-o-Autor que disse no post anterior). Percebi que ele deveria ser, antes de tudo, poeta. Fui atrás e dito-e-feito: já tinha escrito romances e muita poesia, mas resolveu ser cantor porque queria que sua poesia chegasse a mais gente. E conseguiu! Chegou até aqui, em Campinas, nos meus ouvidos!

Como é acima de tudo poeta, há pouca diferença entre as letras de suas músicas e poesias. Apesar de ter uma escrita muito próxima a pegada beatnik, os beats-famosos (ginsberg, kerouac etc) não gostavam do Cohen (dizem que é porque ele se vestia muito bem, sempre de terno). Então Cohen ficou meio a parte. Sua poesia tem uma mistura louca de zen-budismo (viveu uns 5 anos num mosteiro) com temas do judaísmo, tudo isso sobre o prisma da vida moderna e de suas paixões, o eixo em torno do qual parece que tudo gira, a mulher e seu apaixonamento.
Tô com o livro “Stranger Music”, um taludão com compilação de letras de música e poesia, tudo em inglês. Tava feliz pq achei que iria fazer traduções inéditas aqui, mas descobri que tem uma antologia do Cohen em português: “Atrás das linhas inimigas de meu amor”. Tudo bem, sigo traduzindo…

MARITA

Marita
por favor me ache
eu já tenho quase 30

A RAZÃO PORQUE ESCREVO

A razão porque escrevo
é pra fazer alguma coisa
tão bonita como você é
Quando estou com você
Eu quero ser o tipo de herói
que eu queria ser
quando eu tinha sete anos
um homem perfeito
que mata

VOCÊ NÃO TEM QUE ME AMAR

Você não tem que me amar
só porque
você é todas as mulheres
que eu sempre quis
Eu nasci pra te seguir
toda noite
enquanto eu sou ainda
os vários homens que te amam
Eu te conheci numa mesa.
eu tive tua palma entre minhas mãos
num taxi solene.
Eu acordei sozinho
minha mão em sua ausência
no Hotel Disciplina.
Eu escrevi todas estas canções pra você
Eu queimei velas vermelhas e pretas
moldadas como um homem e uma mulher
Eu me casei com a fumaça
de duas pirâmides de sândalo
Eu orei por você
eu orei pra que você me amasse

e pra que você não me amasse

Anúncios

~ por jeffvasques em 11/01/2010.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: