V.I. em seu escritório, a sós


Lênin chega à estação Finlândia-Rússia, voltando de seu exílio suiço. Em seu discurso na própria estação defende, contra a opinião de todos do partido, a necessidade de levar a revolução adiante.


Abaixo um pequeno poema do “Livro Vermelho para Lênin” do poeta Roque Dalton. Pra mim, esse poema descreve o momento em que Lênin, exilado em Berna, na Suíça, diante dos dilemas teóricos e concretos do processo revolucionário russo, decide estudar a obra mais difícil de Hegel: A Lógica. Por que exatamente estudar Hegel em um momento tão turbulento? “Ora, Lênin sentiu a necessidade de buscar pressupostos científicos e filosóficos para fundamentar em um novo patamar teórico suas posições políticas. Tudo indica que, ao procurar Hegel, o dirigente russo não queria politizar a filosofia mecanicamente, mas teorizar a política dialeticamente. Em certo sentido seguia os passos de Marx, que sentira a necessidade de voltar à Ciência da Lógica antes de redigir O Capital.” (trecho do texto de Cristiano Capovilla)

Depois da absorção da dialética em nível mais profundo, Lênin volta para a Rússia certo de que a tomada do poder deveria ser levada a cabo… convence seus companheiros de partido ao longo de debates e mais debates (todos eram contrários a tomada do poder naquele momento) e a revolução russa tem início. Pra mim, esse poema descreve esse momento único na história da humanidade, em que Lênin, lendo a Lógica de Hegel compreende num mais profundo nível a dialética viva da história e percebe a necessidade de fazer a revolução mesmo que as condições históricas aparentes não indicassem essa possibilidade.

V.I. EM SEU ESCRITÓRIO, A SÓS

A Jesús Diaz

Pensar em plena meianoite histórica:
oh fogo cordial na casa que cresce
em meio à tempestade,
oh vibração que salva a vigília,
oh rio que saúda o deserto invadindo-lhe.

Dois olhos vivos,
microscopiantes e telescópicos
no lago de luz da pequena lamparina.

E o livro.

O livro,
um amigo-inimigo,
um irmão exigente,
um desafio ou uma armadilha,
uma arma, um trampolim,
uma semente crítica.

E a página branca,
como toda a história da terra
serva dos próximos minutos.

Anúncios

~ por jeffvasques em 23/03/2011.

2 Respostas to “V.I. em seu escritório, a sós”

  1. Excelente blogue e parabéns pela relação entre o texto sobre Lênin e Hegel e a excelente poesia.

    Obrigado pela citação.

    Saudações.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: