Poesia angolana de revolta



Chegou hoje outro livro que encomendei via Estante Virtual, uma antologia de poesia angolana de revolta organizada em Portugal. Angola é o segundo maior produtor de petróleo da África mas um de seus países mais miseráveis e com um longo histórico de dominação estrangeira. Do primeiro contato rápido com a antologia segue abaixo 4 poesias que selecionei. Observação: há vários termos angolanos que, aparentemente, são compartilhados pelo português de Portugal e portanto não são explicados no livro, o que dificulta um pouco o entendimento geral, mas não o impede.

IDENTIDADE (Eduardo Brazão Filho)

Tinha tanga
e cubata.
Tinha sambo noutro tempo.

Noutro tempo tinha a mata
Livre de andar.
Tinha batuque, muxique
e as anharas para caçar.

E de repente
no entrechoque do tempo
lhe encontrei aí, na estrada.

Tinha calça
e no bolso roto,
bilhete de identidade
mais nada.

POEMA (Maria José Abranches)

Senhora zangou
porque na festa
a negra Joana entrou.
Essa negra danada
que mexe
e remexe
e dá o seu corpo
no branco que o quer.
Senhora zangou
e Joana se riu…
Mas dentro do peito
da Joana vadia
entrou uma coisa…
Talvez cazumbi*…
Que deu força nela.
E ela
gritou:
“VADIA ME FEZ, O HOMEM QUE É TEU
COM AQUELE DINHEIRO QUE ROUBA NA GENTE…”
E senhora zangou
Joana sorriu
sorriu e chorou.

* cazumbi: feitiço

POEMA DE ALIENAÇÃO (Antonio Jacinto)

Não é este ainda o meu poema
o poema da minha alma e do meu sangue
não
eu ainda não sei nem posso escrever o meu poema
o grande poema que sinto já circular em mim

O meu poema anda por aí vadio
no mato ou na cidade
na voz do vento
no marulhar do mar
no Gesto e no Ser.

O meu poema anda por aí afora
envolto em panos garridos
vendendo-se
vendendo
“ma limonje ma limonjééé”

O meu poema corre nas ruas
com um quibalo podre à cabeça
oferecendo-se
oferecendo
“carapau sardinha matona
ji ferrera ji ferrerééé…”

O meu poema calcurreia ruas
“olha a probíncia” “diááário”
e nenhum jornal traz ainda
o meu poema

O meu poema entra nos cafés
“amanhã anda à roda amanhã anda à roda”
e a roda do meu poema
gira que gira
volta que volta
“amanhã anda à roda
amanhã anda à roda”

O meu poema vem do musseque
ao sábado traz a roupa
à segunda leva a roupa
ao sábado entrega a roupa e entrega-se
à segunda entrega-se e leva a roupa

O meu poema está na aflição
da filha da lavadeira
esquiva
no quarto fechada
do patrão nuinho a passear
a fazer apetite a querer violar

O meu poema é quitata
no musseque à porta caída duma cubata
“remexe remexe
paga dinheiro
vem dormir comigo”

O meu poema joga a bola despreocupado
no grupo onde todo o mundo é criado
e grita
“obeçaite golo golo”

O meu poema é contratado
anda nos cafezais a trabalhar
o contrato é um fardo
que custa a carregar
“monangambééé”

O meu poema anda descalço na rua

O meu poema carrega sacos no porto
enche porões
esvazia porões
e arranja forças cantando
“tué tué tué trr
arrimbum puim puim”

O meu poema vai nas cordas
encontrou cipaio
tinha imposto, o patrão
esqueceu assinar o cartão

vai na estrada
cabelo cortado
“cabeça raspada
galinha assada
ó Zé”

picareta que pesa
chicote que canta

O meu poema anda na praça trabalha na cozinha
vai à oficina
enche a taberna e a cadeia
é pobre roto e sujo
vive na noite da ignorância
O meu poema nada sabe de si
nem sabe pedir
O meu poema foi feito para se dar
para se entregar
sem nada exigir

Mas o meu poema não é fatalista
o meu poema é um poema que já quer
e já sabe
o meu poema sou eu-branco
montado em mim-preto
a cavalgar pela vida.

MONANGAMBA* (Antonio Jacinto)

Naquela roça grande não tem chuva
é o suor do meu rosto que rega as plantações.

Naquela roça grande tem café maduro
e aquele vermelho-cereja
são gotas do meu sangue feitas seiva.

O café vai ser torrado,
pisado, torturado,
vai ficar negro, negro da cor do contratado.

Negro da cor do contratado!

Perguntem às aves que cantam,
aos regatos de algre serpentear
e ao vento forte do sertão:
Quem se levanta cedo? Quem vai à tonga?
quem traz pela estrada longa
a tipóia ou o cacho de dendém?
Quem capina e em paga recebe desdém
fubá podre, peixe podre,
panos ruins, cinquenta angolares
“porrada se refilares”?

Quem?

Quem faz o milho crescer
e os laranjais florescer
– Quem?

Quem dá dinheiro para o patrão comprar
máquinas, carros, senhoras
e cabeças de preto para os motores?

Quem faz o branco prosperar,
ter barriga grande – ter dinheiro?
– Quem?

E as aves que cantam,
os regatos de alegre serpentear
e o vento forte do sertão
responderão:

-“Monangambééé…”

Ah! Deixem-me ao menos subir às palmeiras
deixem-me beber maruvo, maruvo
e esquecer diluído nas minhas bebedeiras

“Monangambééé…”

* Monangamba: servente, contratado

Anúncios

~ por jeffvasques em 21/05/2011.

8 Respostas to “Poesia angolana de revolta”

  1. Olá, Jefferson, tudo bem?
    Estou usando teu texto sobre o fantástico em minha monografia, só que não encontrei a data dele para usar como referência bibliográfica. Tem como tu entrares em contato comigo para me passar isso? E obrigada pelo texto, tem sido de grande contribuição em minha tese.
    Por favor, escreva-me:
    melresch@hotmail.com

    Abraços e, desde já
    Obrigada.

    Mel Resch

    • Impressive! But I didn’t understand what “matona” means in the line “carapau sardinha matona / ji ferrera ji ferrerééé…” (in Jacinto’s poem POEMA DE ALIENAÇÃO). Is it maybe a word from another language than Portuguese? Thanks!

      • And another thing, what is “obeçaite” in the same poem? I can’t find that word in any dictionaries and have never heard that!

      • Katriina, I dont understand everything either… “matona” i think its some kind of fish… and “obeçaite” something related to soccer…

      • Thanks, that’s what I assumed too, but it’s a bit ambiguous. One dictionary gave “snail” for matona, but not sure if they eat snails in Angola, sounded a bit weird.

      • “ferrera” = ferreira (kind of fish, common in the sea of Luanda);
        “obeçaide” = “off side” (soccer)
        “matona” =? grande ? (I’ve doubt)
        regards
        Carlos

      • Great, makes a lot of sense, thanks Carlos!

  2. Ñ é facil unir as melhores poesia do mundo,se podessem acrescentar mais alguns poétas angolanos seria mas valia para todos nós…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: