Dia Nacional da Poesia?


Aproveito e incluo minha versão da Quadrilha:

QUADRILHA REVISITADA

Jefferson Vasques

João comia Tereza
que trepava com Beth
que não gozava com Carlos
que olhava (demais) pro Fred
que enrabou o Fábio
que nunca havia transado.

João saiu do Brasil.
A Tereza do armário.
Beth pediu o divórcio.
Carlos pulou do oitavo.
O Fred purpurinou.
E o Fábio
agora é Fábia
e descobriu o amor por si-própria
(que não tinha entrado na história).

PARA O DIA NACIONAL DA POESIA

Os poetas
se limitaram
a poetizar o mundo
de diversas maneiras.

Trata-se, porém,
de modificá-lo
(mundificando a poesia).

Anúncios

~ por jeffvasques em 14/03/2012.

3 Respostas to “Dia Nacional da Poesia?”

  1. De quem foi a arte da tirinha, Jeff? Gostei e quero compartilha tbm.
    :)

    bjo

  2. Ah, Jeff, sabes que sou admirador de seu trabalho, mas essa sua poesia… “mundificar a poesia”… Ah não… Aliás, isso já foi feito… E como qualquer coisa que foi “mundificado”, acabou modificado e… morto… Claro que uma poesia pode ter interpretações metafóricas ter seu sentido alterado de acordo com a percepção do leitor, mas é perigosa essa frase. Grande abraço!

  3. Oi, Barata! =) Bom vê-lo por aqui de novo! Olha, não sei qual leitura que vc fez do “mundificar”, pois você acabou não deixando claro… esse poema é, e eu tinha consciência disso quando o fiz, um poema-provocação… o próprio fato de eu usar as mesmas palavras de Marx, trocando apenas o sujeito e sua ação, também é provocativo… acima de tudo pra fazer pensar: a poesia e a arte transformam o mundo? De alguma forma é como se repetisse essa pergunta clichê, mas que é sempre sempre atual… pergunta que marx respondeu, mas se referindo aos filósofos… “eles só interpretaram o mundo”, mas é preciso mudá-lo, é preciso uma filosofia voltada pra ação/transformação, partindo de um outro paradigma… uma outra forma possível, é interpretar “mundificar” a poesia como trazê-la para o chão, enfronhá-la nas contradições concretas… algo que os modernistas começaram a fazer, tirando a poesia de seu pedestal, mas que, em minha leitura, se perdeu no meio do caminho (onde tinha uma pedra!)… não quis com “mundificar” a poesia indicar que a poesia deva ser só política (até porque toda poesia parte de/expressa um plano político diante da realidade), tampouco só panfletária… o que defendo é uma certa postura do poeta no mundo (tampouco sei se estou a altura dessa postura que anseio e cobro… a provocação funciona pra mim tambem!)… Abração, jeff

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: