Felicidade e Revolução

1187298_605166886190125_624585419_n

Trecho de carta da companheira de marx, Eleanor, sobre felicidade e revolução… lindas, ela e o texto!

“É curioso mas acredito que muita gente não compreende o quanto a noção de felicidade é importante para os socialistas, como ela está no coração mesmo do pensamento de Marx. É ela, afinal, o grande objetivo final de nossa luta, a felicidade – não como simples busca do prazer individual – mas como auto-realização do ser humano. O direito que cada indivíduo tem de poder expressar e realizar suas capacidades, realizar-se, colocando sua humanidade no que faz, seja o que for: um objetivo, uma lavoura, uma obra de arte. Que todos possam ser felizes, efetivando suas capacidades e fazendo parte de uma coletividade, um grupo que os reconhece como seus.
Muitas pessoas nem sempre associam o “livre desenvolvimento de cada um como condição para o livre desenvolvimento de todos” à noção de felicidade do indivíduo. Não entendem que esse “livre desenvolvimento” de cada um é, justamente, a condição para que se possa ser feliz. Ou pensam que isso é coisa do futuro e deve ser deixada para o futuro. Não se dão conta de que ser feliz é algo para ser buscado no presente; que não deve ser uma utopia, mas algo necessário, agora, algo para ser tentado desde já, algo que nos faz melhores como pessoas e, portanto, mais capazes de enfrentar a longa luta. Não creio que exagero quando penso que a beleza da vida, a alegria de viver é o que deve nos guiar e é o que nos pode dar alguma força. Que a revolução significa não apenas a busca da vida e da liberdade, mas à busca da felicidade.”

Eleanor Marx, Carta à Olive Schreiner, 1897
(2 fotos)

Anúncios

~ por jeffvasques em 19/08/2013.

4 Respostas to “Felicidade e Revolução”

  1. Vivemos em um mundo em que “arremedos de felicidade” são demonstrações corriqueiras. A verdade é que, a “máscara feliz”, com seus dentes à mostra, é uma construção artificial que não convence. Todos sabemos, inclusive os que a usam, quanta angústia e desespero ocultam.A alegria genuína e verdadeira, suscitada no “espírito”, é algo que parece extinto. A não ser nas crianças, e nas raras e muito simples criaturas, vez por outra, a encontramos.
    Eleanor tinha razão: a revolução também nos devolverá o direito à verdadeira alegria, que nos foi expropriado.
    Belíssimo texto, Jeff.
    abs.,
    maria

    • Maria, sempre fico muito feliz com seus comentários, sempre me ajudam a enxergar melhor ou de outras ricas formas tudo aquilo que me comove! Mantenha-se sempre por aqui! ;) beijo, jeff

  2. Jeff, suas postagens suscitam meus comentários. Gosto muito de sua coerência quanto à escolha das publicações, bem como de sua bela e arrojada poesia. Fico contente em saber que, de certo modo, contribuo com sua comoção. Sempre leio o que escreve e pretendo continuar a fazê-lo.
    bjs.,
    maria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: