A Hora da Semeadura

1010112_238904722962614_367009876_n


(foto do enterro de Cláudia Silva Ferreira assassinada covardemente por PMs no Rio de Janeiro)

A HORA DA SEMEADURA
(Manuel José Arce Leal, Guatemala, 1935-1985)

E não nos deixaram outro caminho.
E está bem que assim seja.
Recebemos o golpe na rosto,
o chute na cara.
E demos a outra face,
silenciosos e mansos,
resignados.

Então começaram os açoites,
começou a tortura.
Chegou a morte.
Chegou noventa mil vezes a morte.
A lavravam devagar,
rindo-se,
com alegria de nosso sofrimento.

Já não se trata somente de nós os homens.
O saque constante de nossas energias,
o roubo permanente do suor
em quadrilha, à mão armada, com a lei a seu lado.
Já não se trata somente da morte por fome.
Já não se trata somente de nós os homens.
Também às mulheres,
aos filhos,
a nossos pais e a nossas mães.
Os violam, os torturam, os matam.
Também a nossas casas,
as queimam.
E destroem as plantações.
E matam as galinhas, os porcos, os cães.
E envenenam os rios.
E não nos deixam outro caminho.
E está bem que assim seja.

Trabalhávamos.
Trabalhávamos além das forças.
Começávamos a trabalhar quando aprendíamos a caminhar
e não nos detíamos senão no momento de nossa morte.
Morríamos de velhos aos trinta anos.
Trabalhávamos.
O suor era um rio que se bifurcava:
de um lado se tornava miséria, fadiga e morte para nós:
do outro lado, riqueza, vício e poder para eles.
No entanto,
seguimos trabalhando e morrendo século após século.
Mas nem assim se abrandavam suas caras para nós.
Vieram com suas armas
e suas armas vieram para nos matar.
E não nos deixaram outro caminho.

E tivemos que empunhar as armas
também.
A princípio eram as pedras,
os galhos das árvores.
Logo, os instrumentos da lavoura,
as enxadas, os facões, as foices,
nossas armas.
Nosso conhecimento da terra,
o passo incansável,
nossa capacidade de sofrimento,
o olho que conhece e reconhece cada folha,
o animal que avisa,
o silêncio que aperta as mandíbulas.
Essas foram primero nossas armas.
Não tínhamos armas.
Eles sim tinham:
as compravam com nosso trabalho
e logo as usavam contra nós.

Agora temos armas:
as deles.
Quando vieram noturnos para nos matar
os enfrentamos,
caímos como raios
e tomamos as armas,
agarramos as armas.
Cada fuzil custa muitas vidas.
Mas são maiores as mortes que nos custa
se seguem nas mãos deles.
E não nos deixaram outro caminho.
E está bem que assim seja.

Porque desta vez
as coisas
vão mudar definitivamente.
Estão mudando.
Já mudaram.

Cada bala que disparamos leva
a verdade do amor por nossos filhos,
por nossas mulheres e nossos mais velhos
e pela terra mesma e por suas árvores.
E por isso há mulheres e crianças combatendo junto a nós.
Quando semeamos o milho,
sabemos que deverão se passar luas e sóis
até que a espiga sorria com seus grãos e se torne alimento.
E quando disparamos nossas armas
é como se semeássemos
e sabemos
que virá uma colheita.
Talvez não a vejamos.
Talvez não comeremos de nossa semeadura.
Mas ficam plantadas as sementes.
As balas que eles atiram só levam morte.
Nossas balas germinam,
se tornam vida e liberdade,
são metal de esperança.

As coisas se tranformaram.
E está bem que assim seja.
Temos limpado e azeitado as armas.
Colocamos as sementes no alforje e empreendemos a marcha
sérios e silenciosos por entre a montanha.
É a hora da semeadura.

(tradução de Jeff Vasques)

Anúncios

~ por jeffvasques em 23/03/2014.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: