só hoje



hoje,
nesta
terça-gorda
de carnaval,
me permiti
te chorar,
amigo

só hoje,
em meio à turba
em meio à chuva
anônimo e
invisível

tão junto
e tão sozinho

só hoje
me permiti,
amigo,
te chorar

(foram dois meses
resistindo)

e voltei
pra casa
como um carro
trágico-alegórico

imponente
belo
ridículo

essa alegoria clichê
de chuvas e lágrimas
– e um trompete ao fundo
que eu imaginava você tocando –

[e aí eu ria, chorando, do ridículo
que você acharia da cena…]

só hoje
em meio à fantasia
da alegria coletiva
em meio à entrega
inevitável
à vida
em meio à tantos
você, ali,
possíveis

pude aceitar

– e registrar neste poema
ruim e bêbado
(que você, ao ler,
faria lindo) –

o inaceitável
de tua partida.

Anúncios

~ por jeffvasques em 19/02/2015.

2 Respostas to “só hoje”

  1. triste mas bonito, Jeff! me lembrou aquele poema do Gera

  2. Espero que essa dor esteja diminuindo e diminuindo…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: